Como implementar uma estratégia de reforma intíma? 

É inevitável que nos deparemos com inúmeras dificuldades, obstáculos e desafios na vida. Vemo-nos impelidos a agir a todo o instante, a ter clareza de objetivos, capacidade de escolha, esforço e determinação. Nas nossas buscas, deparamo-nos com os outros e, por vezes, vemo-nos envolvidos em conflitos e disputas. Na sua procura por felicidade, o indivíduo é muitas vezes tomado por angústia e sofrimento.

Numa busca espiritual, é comum o tema da não-violência e do não-conflito, bem como o da ausência de conquista e de acção. Contudo, estes assuntos precisam ser bem entendidos, integrando a vida material com a espiritual.

Para isso ajuda ter um plano para implementarmos os valores e atitudes que desejamos cultivar na nossa vida, pois  “cada Espírito avança conforme os recursos de que dispõe, dentro das possibilidades ao seu alcance.
Prossegue amigo deles e almeja-lhes vitória. A perfeição é a meta. Como lográ-la, é desafio de cada ser.
Respeita-lhes a luta e não os ames menos. Teus irmãos em viagem evolutiva, mesmo que não compartam das tuas ideias e não concordem contigo, são conquistadores, tanto quanto és, e necessitam da tua afeição” (Joanna de Ângelis).

Esta estratégia pode dividir-se em 5 passos:

  1. Resolução

Significa fazer uma resolução todos os dias. Começamos o dia com a resolução de que praticaremos o valor/atitude escolhido para aquele mês, durante todo o mês.  Por exemplo, durante o mês de não-violência fazemos a resolução firme de praticar não-violência, de não agredir – fisica, emocional ou verbalmente – os demais: familiares, amigos, colegas de trabalho, etc.” Devemos manter um caderno de notas e cedo, ao acordarmos, escrever, algumas vezes: “Hoje praticarei não- vioência” vinte e quatro vezes. Devemos escrever de coração, com sinceridade e compromisso.

2. Precaução /Cuidado

Várias obras espíritas dizem que para um ‘homem de bem’,  negligência é destruição. Devemos estar alerta e evitar os factores contribuidores que nos fazem violar o o nosso valor e a nossa resolução. Isto aplica-se até à nossa saúde. Manter a saúde requer aderência a umas simples regras que, se forem negligenciadas, teremos que enfrentar as consequências durante o resto da vida.

3. Restrição/Gestão 

Violações dos valores importantes para a nossa reforma íntima vão acontecer, especialmente nos estágios iniciais onde podemos expressar o comportamento negativo que temos tentado evitar. No momento em que nos damos conta que estamos a violar um valor ou atitude devemos esforçar-nos para nos controlarmos, devemos fazer restrição. Exemplo: quando estamos a subir o tom da voz com alguém, de imediato refreamos esse impulso.

4. Introspecção

É a quarta estratégia e deve ser feita todos os dias. Tal como nos sugerido por Santo Agostinho, n’O Livro dos Espíritos, no fim do dia, olhamos para os nossos comportamentos e determinamos até onde cumprimos a nossa resolução de seguir o valor escolhido. Este passo é fundamental, pois levará à mudança da nossa atitude. Presentemente pensamos que as violações que fazemos são necessárias, ditadas pelas circunstâncias. Consideramo-las um mal necessário. À medida que progredimos, descobrimos que não violamos os valores mesmo em situações onde certa vez pensámos que era necessário. Assim, o número de ocasiões que nos podem provocar serão cada vez menos e, no futuro, mesmo naquelas poucas ocasiões em que violamos, não nos provocamos e não violamos o valor como costumávamos fazer.

5. Estudo

É a estratégia mais poderosa e importante e envolve o estudo do significado de cada um dos valores. É ver o valor do valor. Cada mês devemos focar o nosso estudo no valor  escolhido para aquele mês. Durante o mês de não-violência, por exemplo, devemos recolher o máximo de informação possível sobre este valor e estudar a literatura espírita pelo menos uma hora por semana e tentar entender o seu significado.

 Por que razão recorremos à violência física ou verbal? Que medidas preventivas podemos tomar para evitar? A nossa análise pode revelar que o nosso comportamento violento é sempre precedido por raiva. Podemos depois analisar: porque ficamos com raiva? Será por causa do comportamento de certas pessoas? Como podemos mudar o nosso comportamento (é preferível do que esperar que os outro mudem o seu comportamento) para evitar ou minimizar a raiva?

Posta esta estratéhia em prática, uma questão surge:  COMO SABER SE ESTOU A PROGREDIR NO CAMINHO ESPIRITUAL?

Através de duas expressões: diminuição de FIR e aumento de CCC.

O que é FIR?

F – frequência das perturbações emocionais.
I – intensidade das perturbações emocionais.

A intensidade é grande quando acontece ao nível da mente, da fala e do corpo. É média quando afecta a mente e a fala. E é baixa quando afecta apenas a mente.
R – recuperação. O período de recuperação que é necessário para voltar à normalidade.

Quando FIR diminui, CCC aumenta gradualmente.

O que é CCC?

C – calma. Capacidade para lidar com os altos e baixos da vida de forma tranquila, equânime.
C – contentamento. A calma expressada é o contentamento.
C – confiança. Confiança em si mesmo.

 Crescimento espiritual = diminuição de FIR + aumento de CCC.